e eu não sou filha adotiva!

Tá, fala pra mim se você também não pensou nisso em períodos ‘super turbulentos’ da sua infância.

Eu me revoltava quando minha mãe dava razão pro Luquinhas-queridinho-filhinho-da-mamãe. Enquanto ela brigava comigo, ele abraçava uma de suas pernas e ficava rindo com aqueles olhos apertados, cheeios de maldade. Olhos que eu tinha vontade de arrancar com as unhas e dar pro gato comer. Violeenta, violenta sem quantia. Confesso.

Aí, eu sempre dava um jeito de me vingar. Como eu não podia arrancar seus olhos e dar pro gato eu dizia pro Lucas que na parte de cima do guarda-roupa (que só eu alcançava mesmo subindo na cadeira) tinha um mundo secreto. Lá tudo tinha cor diferente. Tinha uma menina roxa, que nem lembro o nome. Eu entrava lá e brincava com eles quando eu queria. Aí sim, a minha vingança era maligna, porque os olhinhos malvados, ficavam super-arregalados, com vontade de conhecer o MEU mundo secreto!

Pronto. Do Lucas eu cuidava do meu jeito.

Agora, pra descontar a injustiça da parte dos meus pais e ainda a desesperança causada pela minha tristeza quando eu olhava no espelho e não via semelhança nenhuma com eles (onde eu estava que não via a cabeça de cearense que herdei do meu pai?!) eu bolei um plano pra fugir de casa.

Dois meses. Foram dois meses sem lanchar na escola pra juntar dinheiro. Eu pegaria um ônibus para fugir pro lugar menos provável. A casa da minha avó, em Brasília. Claro, tinha que ser perto e um lugar eu que eu sobrevivesse, porque com R$50 eu não iria muito longe.

Juntei a grana. Meu porquinho até ficou sorrindo. Uma semana antes da partida-eterna eu vi um brinquedo que eu tanto queria em promoção. Aí minha revolta foi adiada.Fui feliz pra casa, brincar…com o Luquinha.

Por isso que adoro criança. Tão simples. Tão descomplicada. Quando tem que chorar, chora. Quanto tem que falar, fala. Quando tem uma opinião, dá, e pronto. Ser adulto às vezes é chato.

Ainda bem que pai e mãe amam a gente do jeito que a gente é.

Bem confesso que já bolei uns planos pra fugir do que Deus disse pra eu fazer.Ontem mesmo me peguei ‘juntando o dinheiro do lanche’…mas não  ‘rola’. Até porque não conseguiria ir tão longe do que Ele tem pra mim.

E segue em anexo a prova de que sou filha do Nonato e da Rosana, encontrada há alguns dias no meio de uma papelada. rs

IMG_9112

prova

 

IMG_9114

prova

Anúncios

Sobre Mari Veiga

Oi! Tenho 27 anos, sou pastora evangélica, Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Carisma e pela Faculdade Unida. Também sou teacher! Dou aulas de inglês e amo fazer isso! Sou casada com um cara charmosíssimo e, juntos, somos discípulos de Jesus. Moro em Palmas, no Tocantins. Se quiser falar comigo, mande e-mail para mariannaveiga@hotmail.com
Esse post foi publicado em Eu e Deus e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para e eu não sou filha adotiva!

  1. Eu acho impressionante as histórias de crianças…rs
    Eu tmb ja bolei um plano qse infalível pra fugir de casa, maass ele era QUASE infalível. E as poucas chances que ele tinha de dar errado, pois vc acredita q deu?! rsrsrs
    Ahh e que bom q vc não é adotiva né…rs
    kiss
    amovc

O que você pensa sobre isto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s