Do perdão.

Um pouco antes desse diálogo entre Jesus e Pedro, o Mestre explicava como deveria ser a atitude de quem se sentiu ofendido com o procedimento de outra pessoa. A receita era que se procurasse o ofensor e expusesse suas feridas. Ora, algumas vezes acontece. Nos ferimos com o que nos fizeram e o feitor nem imagina que aquilo causou a dor. Aliás, também serve para os momentos em que as dores foram causadas de propósito. Nada mais rápido, prático e claro do que você ir conversar, ajustar os pontos e, aos poucos, se for possível, restaurar o relacionamento.

Depois que explicou, falou sobre o poder presente na oração concordante, a respeito de qualquer coisa, entre duas ou mais pessoas: o mais importante motivo de se acertar rapidamente os desentendimentos.

Ok. Entendido até aqui. Mas Pedro, o impulsivo e sempre falante, tinha que perguntar algo. Talvez para mostrar seu conhecimento, ou o seu ‘senso’ de grandeza, ou talvez apenas para tirar uma dúvida como outras… “-Eu preciso perdoar até 7 vezes?”. O número 7 na cultura hebraica, no qual aquele momento estava submerso, falava sobre a perfeição ou plenitude. Segundo ele raciocinou, qualquer um que conseguisse perdoar perfeitamente até 7 falhas alheias em um só dia seria o que agradaria a Deus.

hug_me-widePense comigo. A não ser que estejamos em um momento de grande conflito e aflição, é meio difícil que haja sete situações em que fiquemos realmente magoados com uma mesma pessoa no mesmo dia. E mesmo se fosse possível, realmente seria algo grandioso conseguir perdoar sete vezes. Jesus concorda com o que Pedro diz. Sete vezes são ok. Mas adicionou à sua conta mais 483 vezes.

Não queremos ser perdoados por Deus apenas sete vezes ao dia. Por mais que seja difícil reconhecer, somos capazes de magoá-lo mais do que isso. E é assim que Jesus nos ensina, trazendo à memória o conhecido trecho da Oração do Pai Nosso: Perdoa-nos assim como nós temos perdoado a quem nos tem ofendido. É uma parte da oração que nos leva a pensar. Se Deus me perdoasse da mesma forma que eu perdoo aqueles que me ferem, eu estaria salvo, eu ainda estaria vivo, ainda seria considerado digno mesmo sem merecer?

Logo compreendemos que os número não são importantes. 

frase

Perdoe!

Anúncios

Sobre Mari Veiga

Oi! Tenho 27 anos, sou pastora evangélica, Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Carisma e pela Faculdade Unida. Também sou teacher! Dou aulas de inglês e amo fazer isso! Sou casada com um cara charmosíssimo e, juntos, somos discípulos de Jesus. Moro em Palmas, no Tocantins. Se quiser falar comigo, mande e-mail para mariannaveiga@hotmail.com
Esse post foi publicado em Devocionais, Eu e Deus e marcado , , , , . Guardar link permanente.

O que você pensa sobre isto?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s